Reflexões Planetárias

Friday, September 26, 2014

A "Grande Promessa"

Admitamos que a sociedade moderna começou com um sonho
A Sociedade Moderna radica-se na Grande Promessa! A Grande Promessa de progresso ilimitado graças ao domínio da natureza, cativou gerações e gerações desde o início da era industrial: liberdade individual, conforto, bem-estar, felicidade para todos, graças à “tecnologia”(1,2,3)!
Mas a Grande Promessa estava enquinada à partida pela "pulsão de dominação"(4).
Esta hubrística "pulsão de dominação" associada a uma crescente dependência tecnológica(5), perverteu a Grande Promessa: o "sonho da razão" gerou o monstro de uma sociedade maquinista(6). Uma sociedade tendencialmente tecnocrática(7), subordinada aos ditames da economia materialista(8), quer na versão colectivista da economia centralizada que colapsou com a dissolução da URSS em 1991, quer na versão liberal do "Consenso de Washington" que desde então reina na globalização capitalista, em que o poder tende a concentrar-se em grandes grupos económicos transnacionais e seus “shareholders”, por via da "darwiniana" competição mercantil(9).
A Sociedade Moderna, a braços com as suas contradições internas, confronta-se ainda com a resistência e a oposição das externalidades sociais e ambientais, pelo que ás suas crises periódicas se acrescenta a ameaça do colapso.
Não faltam contribuições para o diagnóstico da globalização em curso. Também não faltam alternativas à via tecnocrática que afinam, não no modo de ter, mas no modo de ser(10,11).
O que falta são propostas de transição exequíveis que, evitando o colapso, poupem no sofrimento. No fundo, esta transição requer uma democracia participada em que o poder politico se imponha ao poder económico, legitimado e vigiado por comunidades de homens livres, responsáveis e, como tal, informados. Ora isto é cada vez menos possível, porque os mandantes fazem tudo para nos manter amedrontados e distraídos, divididos na ignorância, atomizados na estatística macroeconómica de uma sociedade de massas.
Lê-se com incredulidade propostas de transição como a do “decrescimento sereno” detalhada por Serge Latouche(12) que, no final, acaba por reconhecer que seria liminarmente liquidado o político que pretendesse realizá-la, citando o caso de Salvador Allende. A transição de Ivan Illich (13) pela coalescência progressiva de pequenas comunidades é mais realizável, e até estão a criar-se condições para que aconteça, mas é muito lenta. Quem sabe se não poderá alastrar acelerando com o tempo, como os nenúfares num lago?
Estas dúvidas não são razão para baixar os braços, mas para prosseguir, pondo a prova todas as formas de transição das mais conservadoras ás mais radicais, fazendo um rio de muitos afiuentes(143).
__________________________
(1) Eric Fromm, “Ter ou Ser?”.
(2) Os migrantes que demandaram o "Novo Mundo" fugiam! Fugiam da fome, da doença da guerra e da morte, os Quatro Cavaleiros do Apocalipse que assolavam uma Europa que encolhia com o frio, na que hoje se designa por "Pequena Idade do Gelo". Mas também corriam atrás do sonho: viver na abundância num promissor novo mundo. Eis a génese do espírito moderno centrado no crescimento económico: "(...)para quem vinha de outras terras sobrepovoadas, a esperança de mais e mais era inescapavelmente sedutora". Os emigrantes que hoje demandam a Europa, fogem acossados por uma crise social e ambiental e também correm atrás do sonho de uma vida melhor, mas o mundo que demandam não é novo e está cheio dos problemas em que se enredou a sociedade moderna!
(3) Interpreto livremente Jean-Claude Michèa (La double pensée - modernitée et liberalisme): a ânsia de liberdade numa sociedade tecnicista amoral teria sido uma reação da burguesia e do povo à tirania moral das classes dominantes: o clero,a nobreza e a coroa.
(4) Carl Jung, Henri Laborit.
(5) À medida que a tecnologia invade a nossa vida quotidiana do andar ao pensar.
(6) Lewis Mumford.
(7) Expressiva e bastamente tratada na literatura de ficção e, designadamente na ficção científica.
(8) Karl Polanyi, Jacques Ellul, entre outros mostraram como a econocracia se associa à invasão tecnológica. Lewis Mumford e outros autores, incluindo economistas como Georgescu-Roegan, denunciam a sua filiação na ciência "mecanicista" que encara o mundo como se fosse uma máquina. Protagonizando uma nova aliança com a natureza, cientistas como Ilya Prigogine ("La nouvelle alliance") denunciam a "ressonância entre as ciências e a dominação "laica" de um mundo industrializado", nas ciências de matriz newtoniana que ainda hoje influenciam a economia clássica e a tecnologia dominantes.
(9) George Orwell.
(10) Eric Fromm, “Ter ou Ser?”.
(11) A realidade é bastante mais complexa, mas este processo de modernização afigura-se-me ser o essencial.
(12) “Pequeno Tratado do Crescimento Sereno”.
(13) “A Convivencialidade”.
(14) Michael Lowy.